5 Erros do Tite na Copa – Lições que um bom gestor deve aprender

5 Erros do Tite na Copa – Lições que um bom gestor deve aprender

1 – O líder não pode ser a maior estrela da equipe. Seu papel é desenvolver lideranças e especialidades dentro da equipe, para que estas se façam presentes nas diversas circunstâncias que irão ocorrer. Um exemplo: quando a indicação de quem vai utilizar a braçadeira de “Capitão” é objeto de uma escala de revezamento, ninguém assume a responsabilidade de “Capitão” e, no desenrolar do jogo, ninguém age como tal, enfraquecendo a equipe dentro de campo.

2- O líder tem a obrigação, por mais que lhe custe emocionalmente, de manter na equipe apenas os que estiverem aptos a contribuir para os resultados do time, em qualquer necessidade que venha a ocorrer. A consequência por relegar este fato a segundo plano é prejudicar o desempenho da equipe nos momentos em que precisar de “peças de reposição” e não contar com recursos humanos em condições de atender às demandas do momento, seja quanto ao aspecto físico, emocional, intelectual, etc.

3- Não cabe ao gestor ser “especialista” em tudo. Atividades que exigem requisitos, habilidades, formação ou experiência específicas devem ter a execução entregue a pessoas especializadas nos respectivos assuntos. Uma coisa é o papel do líder no sentido de incentivar a equipe e procurar obter o melhor desempenho de cada um. Outra, muito diferente, é um trabalho profissional de dar assistência e suporte a componentes da equipe que estejam passando por momentos de dúvidas, dificuldades pessoais, necessidades de afirmação, etc.

4- Circunstâncias diferentes exigem posicionamentos também diferentes. Trocando em miúdos é o clássico “uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa”. Por exemplo: liderar a equipe de um clube é diferente de liderar uma seleção – equipe de alta performance onde todos são figuras de destaque no contexto em que atuam; torneios eliminatórios exigem posicionamentos no jogo diferentes de campeonatos de pontos corridos, pois não há tempo útil para ficar insistindo (e errar) com uma formação que não está dando o resultado esperado.

5 – O líder tem que se comunicar com clareza, de modo a que toda a equipe entenda e possa por em prática as suas orientações. Não basta fazer com que as pessoas repitam como um chavão as mesmas palavras do líder sem que compreendam e internalize o seu significado, porque, quando isso acontece, na hora da verdade a equipe não sabe o que fazer e se desorganiza ou se desestrutura. O que, mesmo acontecendo por curto espaço de tempo, pode ser fatal para os resultados.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *